Não siga a sua paixão

Há pouco tempo tive a oportunidade de ler o fascinante e controverso novo livro de Cal Newport: So Good They Can’t Ignore You, ou Tão Bom Que Eles Não Podem Te Ignorar, em tradução livre. O argumento principal da obra é o seguinte: seguir sua paixão não é uma boa ideia no que diz respeito à sua carreira.

O primeiro problema é que, para a maioria das pessoas, paixões preexistentes na verdade não existem. Cal menciona um estudo em que mais de 500 universitários foram entrevistados, e descobriu-se que menos de 4% deles conseguiram identificar uma paixão que tivesse relação com suas carreiras.

O segundo problema é que, mesmo que você tenha uma carreira que lhe agrade, segui-la não necessariamente lhe trará a satisfação desejada. Em inúmeras entrevistas sobre o caminho percorrido por profissionais que realmente gostam do que fazem, a observação é sempre a mesma: terem seguido suas paixões não foi o primeiro passo para o sucesso.

A ironia aqui é que seguir sua paixão pode torná-la mais difícil de ser encontrada.

Excelência x Paixão

Já que a hipótese de Cal afirma que conquistar um trabalho do qual você goste e tenha significado não se origina em ter seguido uma paixão preexistente, a alternativa seria, então, construir capital de carreira. Ou seja, tornar-se tão bom no que faz que você passa a poder ditar os termos da sua própria vida.

Uma troca comercial é constituída de duas partes: o que você deseja obter e o valor que você precisa oferecer para poder realizar a troca e obter o que deseja. A abordagem da paixão foca demais na primeira parte, e Cal acredita que focar na segunda parte seja um estratégia mais sólida. Ou seja, ao invés de ficar pensando no que você deseja adquirir, pense em como aumentar o valor que você tem a oferecer e vire uma autoridade no seu ramo. Desta forma você terá mais poder de barganha.

Costumo receber vários emails de potenciais empresários lamentando sobre as dificuldades de se começar um negócio online. É porque eles ainda não perceberam que, no final das contas, apenas uma coisa importa: as pessoas querem o que você está vendendo? Caso sim, você pode ganhar a vida desta forma. Caso contrário, a verdade é que de nada importa o quão relacionado esteja o seu negócio com a sua personalidade e paixões. Você pode fazer o que ama por anos e nunca obter o sucesso desejado.

A paixão é uma ilusão?

Trabalhar com o que se gosta é muito importante. Nem eu nem o Cal discordamos disso. Eu amo o que faço e isso importa muito mais do que receber um contracheque ou atender às expectativas da sociedade.

Mas as palavras que usamos podem nos enganar. Quando você pede a alguém que pense sobre quais são as suas paixões, essa pessoa geralmente pensa no conteúdo da atividade: seu interesse é por biologia ou física? Prefere literatura ou matemática?

Pode ser que essas coisas sejam justamente os detalhes que nos distraem do que realmente nos permitira amar o que fazemos. Sociólogos já descobriram há algum tempo os fatores que realmente resultam em um trabalho agradável, e a paixão não está entre eles. Veja os três principais fatores associados à satisfação no trabalho:

  • Autonomia
  • Controle
  • Conexão

Acredito que esses fatores expliquem bastante sobre por que eu acho meu trabalho tão agradável. Quando decidi começar um negócio online, eu não tinha ideia de que seria um escritor, muito menos de que teria cursos de rápida aprendizagem como base do meu negócio. Achei que meu futuro estaria em programação de software.

Eu realmente tenho prazer em escrever e aprender, mas também gosto muito de várias outras coisas que não têm relação com o meu trabalho. Mas a razão pela qual adoro meu trabalho provavelmente tem mais a ver com a independência que tenho, o controle criativo e o fato de que posso observar claramente como ele ajuda as pessoas.

Muitas carreiras oferecem autonomia, controle e conexão, mas esses atributos são raros e bastante concorridos. Então, para obtê-los, você precisa oferecer em troca algo igualmente irresistível.

Empreendedorismo x Habilidades

O livro de Cal se encaixa bem com um outro livro sobre sucesso no trabalho, The Start-Up Of You, ou Comece Por Você, título no Brasil, de Ben Casnocha e Reid Hoffman. Os dois livros raramente se contradizem, mas oferecem perspectivas bem diferentes para entender a questão de como conquistar uma carreira de sucesso satisfatória e agradável.

O livro de Cal foca principalmente nos detalhes da excelência. Como você pode se tornar bom o suficiente no que faz a ponto de obter poder de negociação para conquistar a autonomia, o controle e a conexão que resultam num trabalho que você adore?

Já o livro de Ben foca mais em navegar pela rede de pessoas e oportunidades- network- às quais você tem acesso, o que te permite construir as habilidades necessárias para a conquista do sucesso. A excelência dificilmente ocorre em um vácuo, e tornar-se bom em algo geralmente é resultado de saber aproveitar oportunidades que te permitam aprimorar suas habilidades e aumentar seu network.

Juntos, ambos os livros me ajudaram a refletir bastante sobre a minha própria carreira, especialmente sobre o que eu deveria estar fazendo para crescer como empreendedor e escritor na próxima década.

Leia também

Scott H Young...

...já escreveu mais de 950 artigos dedicados a uma simples ideia: como levar uma vida mais produtiva. Em seu blog, ele oferece dicas de como dobrar sua capacidade de leitura, aprender mais estudando menos, superar a procrastinação ou simplesmente entender melhor as pessoas- e a si próprio. Leia seus artigos ou saiba mais sobre o autor.

Comments

  1. Felipe de Paula says:

    Acabei encontrando esse site pelo Google numa pesquisa sobre decisões e vim parar aqui! Adorei as publicações e já adicionei nos favoritos. Queria comentar em tudo mas não é fácil kkk

Speak Your Mind

Leia o post anterior:
Quanto mais difícil, melhor

Algumas metas podem ser bem mais difíceis de se alcançar do que imaginamos em princípio. Talvez você já tenha tentado as abordagens mais fáceis e óbvias, mas a meta continua...

Fechar