Combatendo a ansiedade da leitura online

Eu adoro ler online – em geral posso fazer isso durante horas por dia. Mas com a explosão de ótimos blogs, revistas e fontes de notícias online, sites de desenvolvimento pessoal, mídias sociais etc., como lidar com a ansiedade que isso gera?

A ansiedade geralmente é resultado de:

  • Tentar acompanhar todas as suas fontes de leitura, redes online etc., que possuem um fluxo interminável de posts e matérias.
  • Tentar recuperar a leitura blogs e sites que às vezes já tem meses ou até mesmo um ano de publicações.
  • Ter medo de estar perdendo artigos importantes.
  • Não ter certeza de estar lendo os melhores blogs e sites, ou seguindo as melhores pessoas no Twitter ou Facebook.

Como lidar com isso? Bom, é uma questão de desencanar e perceber que você nunca, jamais, conseguirá ler nem 1% das coisas boas disponíveis na internet. Então relaxa, ou a ansiedade estará sempre presente.

Tentar acompanhar tudo o que está acontecendo online não só é impossível, mas também um enorme desperdício da sua vida. Você poderia estar dedicando um pouco desse tempo a criar algo, correr atrás de um sonho, malhar, aprender alguma coisa nova, passar um tempo com um ente querido ou até cochilar. Qualquer uma dessas opções seria melhor do que tentar acompanhar o universo online, ou se preocupar com isso.

A filosofia do rio

Se a vida fosse um rio e a água desse rio fosse formada por todo o conteúdo disponível online (incluindo blogs, mídias sociais etc.), e também por todas as possíveis experiências do mundo, imagine tentar beber o rio inteiro. É obvio que isso é humanamente impossível, e ninguém considera fazê-lo.

Tentar absorver tudo que está online é como tentar beber toda a água de um rio.

Agora imagine que você quer provar das melhores gotas d’água que o rio tem pra oferecer. Como faria isso? Bem, você não sabe onde essas gotas estão, então teria que provar grandes quantidades de água pra descobrir. Ou perguntar aos peixes e pescadores, que provavelmente terão opiniões diferentes, e testar todas essas recomendações — o que pode levar uma vida inteira. Mesmo assim, você não vai ter a certeza de que consumiu todas as melhores gotas d’água.

No entanto, muita gente faz questão de tentar experimentar as melhores gotas d’água no que diz respeito a ler os melhores blogs e livros, assistir aos melhores filmes, e viver as melhores experiências. Para isso, elas experimentam uma grande quantidade de recomendações pra ver se valem a pena. Isso toma muito tempo de suas vidas e muita coisa boa ainda fica pra trás.

Então, curta o artigo que decidir ler e não se preocupe com o resto.

Aproveite as experiências que você tiver e não pense nas que não teve.

Divirta-se com as pessoas que estão com você e não pense nas que estão ausentes.

A vida é um rio, e se preocupar em encontrar as melhores gotas é perda de tempo. A água em que você está agora é a melhor.

A arte de desencanar

Como desencanar dos artigos que você gostaria de ter lido mas não leu? Como desencanar da preocupação de estar perdendo ótimos artigos? Como esquecer a leitura acumulada?

Comece do zero todos os dias.

Assim você não vai estar aumentando a sua lista de leitura acumulada, e sim começando uma nova lista do zero todos os dias. Com a lista vazia, as possibilidades são infinitas e a culpa de ver o que ficou acumulado é nenhuma.

A cada dia você vai poder decidir como preencher essa lista, e curtir o que você escolheu experimentar. No dia seguinte, comece do zero novamente, sem culpa.


foto: miguelavg

Leia também

Leo Babauta...

...é o criador do blog ZenHabits.net, um dos blogs em inglês mais visitados na internet, com mais de 240.000 assinantes e ranqueado pela revista Time como um dos Top 25 Blogs por dois anos seguidos (2009 e 2010). Leia seus artigos ou saiba mais sobre o autor.

Comments

  1. Telbia Maria De Almeida Guimaraes says:

    Estou gostando cada vêz mais deste site.Que continúe sempre informando e trazendo novidades interessantes! Parabéns

Speak Your Mind

Leia o post anterior:
Pratique o desapego – Como se desfazer de objetos de valor sentimental

Minha mãe faleceu em 2009. Nem preciso dizer que foi um momento extremamente difícil na minha vida. Ela morava a 1500 quilômetros de distância e, quando faleceu, dar um jeito...

Fechar